(Em um lugar onde os pensamentos podem florecer)

segunda-feira, 22 de abril de 2013




Bebi saudade
como se fosse uma xícara de café
para manter-me acordada
pra ver se ainda prossigo de pé

Essa fé que move montanha
montanha de Maomé
dizem que o mal-me-quer
que ele não impeça o bem quando vier

Sigo caminhando
pisando leve com esse pé
à Deus, sempre clamando
às vezes renascendo, às vezes cinzas
cinzas do pó daquele mesmo café.

13 comentários:

Marie Motta disse...

Bebo saudades todo dia, como alimento da alma. Profundo

Jhosy . disse...

Heloisa,
Sabe que beber saudade, alimenta mais do que alguns sentimentos?

Amei refletir lendo tuas palavras.

Um beijo!

Renato Hemesath disse...

Adorei a possível metáfora "beber saudade" principalmente quando o momento presente de nossas vidas se mostra tão previsível, tão comum...

Abraços =)

Jéssica do Vale disse...

Li tanto: beber saudade
que lembrou-me a música
https://www.youtube.com/watch?v=BNp4M-iAHIQ.

cleber eldridge disse...

sensacional o primeiro trecho!

Mateus Medina disse...

Ciclos, tão necessários

bjos

Jackeline disse...

Não bebo saudade, mas serve pessimismo e melancolia? É o que tem me mantido acordada, ultimamente.

Letícia Giraldelli disse...

E é tudo um ciclo!

Evandro L. Mezadri disse...

Nessa aventura chamada vida, a fé nunca deverá ser perdida!
Grande abraço e sucesso!

Janaina Cruz disse...

Meus aplausos pra ti menininha, mais uma obra brilhante.

Esse mesmo pó permeia as minhas estantes, os meus instantes, o meu café...

Abraços pra ti

Anderson Lopes disse...

Esse café nos mantém de pé por anos a fio!

Por que você faz poema? disse...

Saudade me embriaga.

Emilie disse...

"Se a montanha não vai até Maomé"...
E é por aí...